Apanhados Desprevenidos

Apanhados Desprevenidos

outra crónica feita algures pelo outono de 2008

Não é maravilhoso quando somos apanhados desprevenidos? Pode ser por coisas tão boas e corriqueiras como a entrada na universidade no curso que queríamos, encontrar a nosso amado por acaso, ou ver que recebemos no final do mês na folha de ordenados mais do que estávamos à espera. Mas também as surpresas podem ser desagradáveis como a morte de um ente querido, ver que o amor da nossa vida ( pelo menos naquele momento) vai abandonar-nos de repente, sem avisos, nem prémios de consolação.

Isso de ser apanhada desprevenida quanto a mim, são o que dão significado à nossa efémera vida. torna cada pôr-do-sol, cada alvorada especial, digna de versos de Ary dos Santos. Sem o inesperado a bater à porta cada vez que o nosso coração palpita e sem a capacidade de aproveitar cada minuto desse momento seja mau seja bom, o que somos nós senão meros animais com os instintos básicos de sobrevivência?

Cada vez que  estamos a viver um momento especial como uma nova paixão ou uma desilusão fechamos-nos numa espécie de redoma de vidro e tudo à nossa volta parece diferente, somos como que tele-transportados para uma terceira dimensão em que só conseguimos ter em mente aquela situação ficamos incrivelmente egocêntricos e surpresos de tal modo que tudo à nossa volta passa a ter uma importância relativa. No final do dia só nos importará realmente se conseguimos estar com, ou ver o nosso amado, se conseguimos fazer algo de útil, que nos realize realmente e ter fôlego para no dia seguinte começar tudo de novo. No final do dia, quando a nossa cabeça encosta na nossa almofada largamos todas as coisas mesquinhas, todo a hipocrisia e cinismo típicos desta vida moderna e stressante que levamos e só nos importa as pequenas surpresas que tivemos nesse dia.

Quanto a mim por isso o significado surpreso de ser apanhada desprevenida é estar apaixonada. Encontrar o tal mesmo que esse amor seja eterno enquanto durar e essa duração só tenha um dia, uma semana, um mês. Encontrar uma pessoa capaz de nos deixar sem resposta, que nos desafie em cada fôlego tanto intelectualmente, quanto fisicamente ( ai a maravilhosa atracção) e que nos derrube completamente ao ponto de nos levar a expor as nossas fragilidades mas também as nossas forças. Que nos ensine a dar valor à palavra saudade para que não a pronunciemos mais em vão, denegrindo essa palavra tão maravilhosa e única no vocabulário mundial.

Nós sabemos quando somos apanhados desprevenidas quando deixamos de pensar com a razão e passamos a pensar com os nossos cinco órgãos sensoriais, a pele, a audição, o tacto, o paladar e o olfacto. A minha pele só é despertada e só responde ao contacto daquela pele, o meu olfacto só reage quando o meu perfume se confunde com o dele, os meus ouvidos só querem ouvir a sua voz e o seu coração a bater perto do meu peito os meus olhos só conseguem ver a beleza do meu corpo encaixado no dele…

Sim, ser apanhada desprevenida é o que o homem almeja mesmo que seja por escassos segundos porque é isso que nos torna… humanos

2 Comments Add yours

  1. Momentos desprevenidos podem ser bons ou menos bons, mas permitem-nos viver e crescer!
    Podem ser de tristeza ou de grande alegria…
    Ou simplesmente, um turbilhão de emoções ou sensações!
    Kem sabe?

  2. Agora kem me apanhou desprevenida foste tu…

    Adorei, 1 texto profundo e sobretudo humano!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s